30.12

A atriz de descendência Filipina-Americana fala sobre seus dois projetos diferentes e sua herança filipina.

“No que diz respeito ao arco e flecha, sou muito boa”, Hailee Steinfeld declarou sobre Kate Bishop, sua arqueira mágica super-heroína em Hawkeye, a série MCU que está por vir na Disney Plus.

“Eu vou te dizer isso,” brincou Hailee que estava ligando de Atlanta, onde ela está filmando a série que marca a sua primeira vez se juntando a MCU. A jovem de 24 anos conseguiu o cobiçado terceiro personagem e é a primeira mulher a receber o nome Hawkeye.

A série também é estrelada por Jeremy Renner (Clint Barton), Florence Pugh (Yelena Belova) e Vera Farmiga (Eleanor Bishop).

“Eu direi que é algo que eu realmente gosto”, acrescentou a filipina-americana, que ganhou uma indicação ao Oscar por “True Grit” e um Globo de Ouro por “The Edge of Seventeen”.

“Eu nunca peguei um arco e flecha antes deste projeto. É algo que definitivamente recomendo. É um esporte que qualquer pessoa pode praticar e começar em qualquer momento da vida ”.

“E é verdadeiramente terapêutico e simplesmente incrível. Nunca pensei ou me vi fazendo isso. Mas aqui estou. Eu absolutamente amo. ”

Hailee está se divertindo muito. Ela está ocupando dois mundos hoje em dia – Século 19 através da aclamada série da Apple TV, Dickinson, onde ela interpreta a poetisa Emily Dickinson e o MCU, no qual ela é um membro dos Jovens Vingadores que é hábil não apenas com arco e flecha, mas também em esgrima, jiu-jitsu e boxe.

“Hawkeye é uma grande distração de Dickinson, então tem sido muito divertido”, a atriz compartilhou. “Para saltar em um universo totalmente novo. É realmente emocionante dar vida a esse personagem. Essa personagem que as pessoas estão realmente ansiosas para ouvir sua história.”

Em relação a pular para o mundo dos super-heróis dos quadrinhos, a estrela de Bumblebee disse: “Eu sempre adoro quando entro em um universo que existe porque lá, parece que há uma quantidade infinita de referências e informações. É sempre emocionante ver o que os cineastas escolhem tirar do que sabemos e transformá-lo no que se torna.”

“No que diz respeito aos quadrinhos, é como se Emily e sua poesia tivessem esse tipo de mundo de informações sem fim. Sempre adorei quadrinhos. Sempre fui uma pessoa muito visual. ”

“Um grande livro com algo acima de 200-250 páginas sempre me intimidou. Mas os quadrinhos sempre foram algo que me atraíram por causa do aspecto visual deles. Eu me diverti muito lendo esses quadrinhos, passando por eles e descobrindo esses elementos de Kate Bishop que estão lá e que estamos trazendo à vida no programa, e outros elementos dos quadrinhos. ”

Em seu outro programa, Dickinson, Hailee é totalmente envolvente como a poetisa americana que era obscura durante sua vida, mas agora é considerada uma das figuras mais importantes da poesia. Na série da Apple TV, retornando com a segunda temporada em janeiro, a criadora Alena Smith oferece uma sensibilidade moderna da vida e dos tempos de Dickinson.

“O que eu acho tão incrível sobre esse show é que ele desafiou muitos jovens na maneira que eles pensam sobre certas coisas. Usando um período de tempo diferente, mas através de lentes modernas, o show dá a sensação de que, embora felizmente tenhamos percorrido um longo caminho, é um lembrete de quanto trabalho ainda temos que fazer.”

“Com peças de época, existe esse tipo de estigma que vem junto com relação às gerações mais jovens. Eles ouvem que é uma peça de época e é meio chata. Ou é algo com o qual não podemos nos relacionar ou é do passado ou algo assim.”

“Tive a mesma reação com algumas coisas quando elas vieram até mim – é outra peça de época. Mas há algo sobre esta que você esquece que foi há muito tempo.”

“Isso é assustador porque as conversas que eles estão tendo no programa, os temas que estão acontecendo e as perguntas que implora para fazer são coisas que ainda estamos descobrindo.”

Hailee compartilhou o que está por vir na segunda temporada do programa, que também apresenta Adrian Enscoe, Jane Krakowski, Toby Huss, Wiz Khalifa, Anna Baryshnikov, Ella Hunt, Nick Kroll, Timothy Simons, Ayo Edebiri, Will Pullen e Finn Jones.

“O relacionamento mais antigo de Emily é com sua poesia e essa é a força move sua vida”, Hailee começou. “Na primeira temporada, Emily ganhou o direito de se tornar uma escritora. Se a razão pela qual ela não publicou na primeira temporada foi porque seu pai não permitiu, a segunda temporada está questionando – ela agora não está publicando porque está preocupada com a ideia de fama, de se tornar famosa?”

“Colocando-a para o mundo e se abrindo coloca ela em julgamento e dúvida. Ela só realmente compartilhou sua poesia, pelo que sabemos e em nosso show, com uma pessoa. E essa é Sue (Ella Hunt), com quem ela disse ter um relacionamento. Ela está procurando alguém para entendê-la.”

“Na segunda temporada, vemos quem são essas pessoas. São homens e mulheres. Ela está procurando por alguém que a veja como ela é. Muito parecido com os humanos, isso é o que fazemos.”

A Californiana, que também é cantora e compositora, espera dirigir algum dia. “Eu co-dirigi um videoclipe (musical) meu pouco antes da pandemia. Foi uma ótima experiência. Sempre tive interesse em dirigir.”

“Eu trabalhei com alguns dos melhores. Desde que comecei a trabalhar neste ramo, fiquei muito inspirada pelos diretores com quem trabalhei.”

“Então, foi muito divertido colocar aquele chapéu por um momento e trazer um pouco do que eu tinha para a vida. Espero talvez fazer isso de novo em algum momento em um espaço diferente e em uma escala diferente.”

Pedi a Hailee uma atualização sobre o lado filipino de sua família. Eu perguntei sobre seu tio, Larry Domasin, que era uma ator mirime co-estrelou com Elvis Presley em “Fun in Acapulco”.

“Ele é incrível!” Hailee exclama. “Recentemente, descobri um monte de fotos dele naquele filme com Elvis. São fotos que preciso emoldurar e colocar na minha casa. Eles são tão incríveis.”

“Minha mãe é incrível”, disse Hailee sobre Cheri, cujo era originalmente de Panglao, Bohol. “Todo mundo do lado da minha mãe é maravilhoso. Estou ansioso para ver todos à distância (risos) nos feriados. Sou muito grata pela minha família.” A família amorosa de Hailee inclui seu pai, Peter, e seu irmão, Griffin.

Hailee tinha as palavras mais carinhosas para seu avô materno, Ricardo Domasin, a quem ela chama carinhosamente de “Papa”. Ricardo morreu em 2014.

“Uma coisa sobre meu avô filipino – a quantidade de orgulho que ele tinha de mim, de si mesmo, de sua origem e de sua família era inacreditável. Às vezes, quando eu era mais jovem, íamos a restaurantes e ele dizia: ‘Esta é minha neta. Ela fez um teste hoje.’ Antes mesmo de qualquer coisa acontecer. Eu estava tipo, ‘Papa, pare! Pare! Você tem que parar.’”

“Percebo agora que talvez seja algo que eu gostaria de ter percebido antes. Uma qualidade que ele tem, com a qual nasceu e foi criado é o orgulho da família. Tenho muita sorte de ter experimentado isso com ele.”

“Isso remonta a ter interpretado uma personagem como Emily, que não tinha uma família que tivesse tanto orgulho dela, que sairia em público e diria às pessoas: ‘Minha filha é uma poetisa. Ela escreve poesia inacreditável!’”

“Eu tive isso no meu avô mais do que qualquer um. Eu sinto muita falta dele. Tenho muito orgulho de ser sua neta, de ser filipina e de ter isso no meu sangue, porque sempre estará lá.”

Fonte: Rappler

Tradução e Adaptação: Hailee Steinfeld Brasil

Salvo em: Entrevista
© 2020 Hailee Steinfeld Brasil • Hospedado por Flaunt • Layout por Lannie D